Especialista da UNITAU reforça importância das abelhas para a biodiversidade

20/05/2022

UNITAU, Graduação, Apicultor, Abelhas, Apicultura

Apesar de pequena, a abelha é um dos insetos que mais provocam medo nas pessoas. No entanto, ao contrário do senso comum, não existe ataque de abelhas, mas, sim, defesa. Elas utilizam o ferrão apenas nos casos em que se sentem ameaçadas. Mesmo assim, quando se aproximam, assustam os humanos.

Por conta desse medo, muitas vezes é ignorada a grande importância que elas têm para o funcionamento do planeta. Por isso, a Organização das Nações Unidas (ONU) elegeu o dia 20 de maio, nascimento do esloveno Anton Janša, considerado pioneiro da agricultura moderna, para promover a conscientização sobre a relevância das polinizadoras.

A extinção desse inseto pode causar um desequilíbrio no planeta, o que torna a preservação das espécies essencial. A Prof. Dra. Lidia Barreto, coordenadora do curso superior de tecnologia em Apicultura e Meliponicultura da Universidade de Taubaté (UNITAU), ressalta que 75% da lavoura mundial depende da polinização das abelhas. Sem elas, três quartos da produção de alimentos orgânicos seriam prejudicados.

Além disso, as abelhas são fundamentais para a biodiversidade e para manutenção da vida no planeta e responsáveis pela produção do mel. A extração do mel só é possível com o trabalho dos apicultores, profissionais especialistas em abelhas, que garantem que os enxames recebam os cuidados necessários. “Ele é coautor na produção agrícola mundial, todos nós precisamos de um apicultor”, destaca a professora.

Para a valorização desse profissional, o dia 22 de maio, data de falecimento da padroeira dos apicultores, Santa Rita de Cássia, é o Dia do Apicultor. Como afirma a Profa. Lídia, é preciso reconhecer o papel do apicultor de “desenvolver e preservar um ambiente que precisa tanto das abelhas”. Segundo ela, os impactos ambientais como o desmatamento, as queimadas, o uso de pesticidas e agrotóxicos, o aquecimento global e as alterações climáticas estão devastando as populações deste inseto.

A falta de educação ambiental obriga o apicultor a redobrar os cuidados e o trabalho de prevenir a extinção das abelhas, para que, com a ajuda da polinização, as plantas possam se reproduzir, mantendo o ecossistema equilibrado. Devido à crucial função desses insetos, “é muito importante que as abelhas sejam preservadas”, reforça a especialista.

Para saber mais sobre o curso de Apicultura e Meliponicultura da UNITAU, clique aqui.

Mariana Capibaribe

ACOM/UNITAU