Cursos de pós-graduação apresentam valorização

05/03/2021

ACONTECE, ALUNO, Desenvolvimento profissional, Pesquisa, Pós-graduação

Nos últimos cinco anos, cursos de pós-graduação têm apresentado uma valorização crescente.

 Essa percepção é reforçada por pesquisas realizadas por instituições como a Associação Profissional das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior no Estado de São Paulo (Semesp). Entre 2016 e 2019, por exemplo, houve um salto de 47% no número de alunos matriculados em cursos de especialização latu sensu no Brasil. Já uma pesquisa de empregabilidade promovida pelo Semesp, no ano passado, demonstrou que 40,3% dos participantes mencionaram o ingresso em um curso de pós-graduação como melhoria após a conclusão do curso de graduação. Se forem considerados formados há mais de três anos, o indicador chega a 47,8%.

Atenta a essa realidade, a Universidade de Taubaté (UNITAU) busca o constante aprimoramento para a oferta de cursos em sintonia com as demandas de seu público. Os cursos de pós-graduação da UNITAU abrangem especialização, mestrado e doutorado, também na modalidade a distância.

“O consumo mudou, o mercado mudou, as empresas e as pessoas mudaram. Se antes bastava ter um título no currículo, hoje as entrevistas demandam muito mais energia e o candidato precisa demonstrar conhecimento. Por isso, a necessidade de formação em uma instituição sólida, que alie a prática à teoria”, diz a Pró-reitora de Pesquisa e Pós-Graduação, Profa. Dra. Sheila Cavalca Cortelli.

A busca pela educação continuada para o desenvolvimento profissional também passou a ser sentida como forma de preencher lacunas deixadas pela pandemia do coronavírus. “Antes, a pessoa se formava e esperava dois, três anos em atividade no mercado de trabalho. Alunos que estão se formando nesse período sentem a necessidade de uma continuidade nos seus estudos com uma pós-graduação”, avalia Sheila.

Para a Pró-reitora, a pandemia demonstrou para a sociedade a necessidade de valorização da ciência. “A sociedade passou a valorizar mais a ciência. Precisamos gerar mais conhecimento. O Brasil carece de mestres e doutores”.

Profa. Sheila comenta que, entre os desafios para os próximos anos, está a adaptação cada vez maior para uma nova realidade que consiga aliar atividades práticas presenciais e o ensino remoto. “Temos feito pesquisas periódicas e percebemos muita gente em home office querendo evitar a mobilidade. Nosso aluno quer conteúdo remoto e atividades práticas com toda segurança”.

Saiba mais sobre os cursos de pós-graduação oferecidos pela UNITAU aqui.

 

ACOM/UNITAU