Prof. Ronaldo Abraham se aposenta após 38 anos na Universidade

15/01/2018

Destaque, Extensão, Alimentação melhor, Tecnologia, Aluno, Medicina

Após quase 40 anos de trabalho, o Prof. Dr. Ronaldo Abraham, do curso de Medicina da Universidade de Taubaté (UNITAU), se aposentou. O docente era um dos servidores com mais tempo de casa e completaria 39 anos de UNITAU no dia 1º de março.

Apaixonado pela educação, o docente e médico neurologista começou a trilhar seu caminho como professor ainda na graduação, no Rio de Janeiro. ?Durante a faculdade, eu comecei com monitorias e descobri que gostava muito do ensino?, conta Abraham. ?Foi justamente o ensino que me trouxe para Taubaté, em 1976, quando era a Faculdade de Medicina de Taubaté. A partir de 1979, comecei a lecionar na UNITAU?, completa.

Na docência, entre tantas experiências, o que mais lhe marcou foi a relação com os estudantes. ?Ainda me marca muito o contato frequente com os alunos. Eu gostava muito de estar em sala de aula, e via reciprocidade desse sentimento por parte da turma. Foi muito gratificante, tive o privilégio de ser homenageado algumas vezes?, ressalta o professor. Abraham ainda relata as mudanças no ensino e na Medicina nos últimos anos. ?Antigamente eu levava meu projetor e levava muito mais tempo para montar o conteúdo. Preparar aula ficou mais fácil, a tecnologia ajudou muito. Também na área médica, como na investigação de doenças, mas, todos esses avanços distanciaram o médico e o paciente. É o preço que se paga por toda a tecnologia?.

Durante esses anos, Ronaldo Abraham conciliou a carreira clínica com a carreira acadêmica. ?Muitas vezes deixei de atender pacientes, ou restringi a minha clientela, porque tive esse comprometimento com a Universidade, mas nunca tive problemas em relação a isso?, afirma o neurologista.

Agora aposentado da Universidade, ele pretende continuar atendendo em sua clínica em meio período durante algum tempo, mas também tem outros planos. ?Quero dedicar mais a minha saúde, praticar mais ginástica e, quem sabe, chegar mais cedo em casa?, finaliza rindo.

 

Heloisa Costa

ACOM/UNITAU

*Foto: Leonardo Oliveira/ UNITAU