Pesquisa estuda danos às abelhas provocados por agrotóxicos

22/06/2022

Abelhas, água, Meliponicultura, Apicultura, Pesquisa Científica

O uso cada vez maior de agrotóxicos no Brasil representa uma potencial ameaça à sobrevivência das abelhas, responsáveis pela polinização de 70% das plantas cultivadas para a alimentação. É isto o que pretende demonstrar uma pesquisa desenvolvida por meio de uma parceria entre a Universidade de Taubaté (UNITAU) e a Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

Os primeiros levantamentos foram realizados em junho e envolvem a coleta de amostras de mel e de água em apiários localizados próximos a áreas de plantio agrícola.

“A ideia é verificar a qualidade do mel dessas áreas, se há resíduos de agrotóxicos e a qualidade dos corpos d’água superficiais. Por quê? As abelhas precisam de água e se essas águas estiverem contaminadas, elas vão levar a contaminação para o mel”, afirma a Profa. Dra. Gilvanda Silva Nunes, que integra o Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais da UNITAU.

Segundo a pesquisadora, o projeto também prevê avaliar a suscetibilidade das abelhas com ferrão e sem ferrão de regiões quentes e frias do Brasil. “A gente quer avaliar e verificar se existe alguma correlação dos resultados em relação ao clima. Se as abelhas de clima quente, mesmo das mesmas espécies, são mais suscetíveis ou não. Isso é um ponto importante para a apicultura e para a meliponicultura”.

No Vale do Paraíba, os levantamentos serão realizados pela UNITAU em apiários de Taubaté, São Luiz do Paraitinga e em Santo Antônio do Pinhal. As regiões do Alto Turi e Baixada Maranhense serão mapeadas pela UFMA.

A pesquisa, com prazo de dois anos de duração, também vai contar com ensaios de toxicidade aguda e testes de mobilidade com as abelhas. “Esses compostos têm efeitos neurais nas abelhas. A capacidade de bater as asas fica diminuída, não conseguem voltar para suas colmeias.  Existe até um termo cunhado para esse problema: distúrbio do colapso das abelhas”.

Além da profa. Gilvanda, o grupo de pesquisa é integrado pelos Profs. Drs. Marcelo Targa e Paulo Fortes, com o apoio voluntário de três alunos do curso de Medicina Veterinária.   “Com o passar do tempo, vamos precisar de mais gente. Também buscamos parcerias para fazer as análises e viabilizar os deslocamentos da equipe. Nossa próxima atividade está prevista para agosto”, reforça a pesquisadora.

ACOM/UNITAU