UNITAU lança primeiro curso presencial de Educação Especial e Inclusiva do Vale do Paraíba

21/01/2022

Pós-graduação, Inclusão, educação inclusiva, Educação, UNITAU

A Universidade de Taubaté (UNITAU) inicia, em março de 2022, o primeiro curso presencial de especialização em Educação Especial e Inclusiva do Vale do Paraíba. O curso terá duração de 16 meses, com aulas que ocorrem quinzenalmente às sextas-feiras à noite e aos sábados de manhã e no período da tarde.

A educação especial e inclusiva tem o objetivo de integrar alunos com necessidades especiais, seja de aprendizado, seja física, ao restante da comunidade escolar. Com isso, os demais alunos aprendem a conviver com a diversidade, o que acaba sendo uma forma de melhorar a educação para todos, gerando resultados positivos que impactam em vários outros fatores da sociedade.

O curso de especialização contará com a coordenação da Profa. Dra. Andreza Maria Neves Manfredini e da Profa. Ma. Fernanda Cardoso Fraga Fonseca.

“Não encontramos cursos de especialização presenciais de educação especial e inclusiva aqui no Vale do Paraíba. Temos que saber como está o mercado aqui na região, mas temos encontrado somente cursos EAD. Nosso diferencial é oferecer o curso presencial na UNITAU, com professores da região e de fora”, comenta a coordenadora adjunta, professora Fernanda.

Segundo a professora, o objetivo é atender as necessidades do mercado, formando um profissional que saiba trabalhar com educação especial por meio de técnicas e de conhecimento aprofundado sobre essa área.

O curso pretende atuar além da questão das deficiências, trabalhando as três grandes áreas da educação especial: alunos com deficiência, alunos com transtornos globais do desenvolvimento e alunos com altas habilidades/superdotação.

“Não pretendemos dar um curso superficial. Queremos que o curso realmente prepare os alunos para os desafios da carreira. Não é uma carreira fácil. Se formos olhar para as políticas públicas, a educação especial e inclusiva é um direito do aluno, ela é algo previsto em lei”, finaliza a coordenadora.

Estudo divulgado pelo IBGE em 2021 revelou que 67% da população com algum tipo de deficiência, com idade mínima de escolarização, fizeram no máximo o ensino fundamental incompleto.

Mais informações sobre esse e outros cursos de especialização da UNITAU, clique aqui.

Ariane Galhardo
ACOM/UNITAU