Professora esclarece mitos e reforça importância da doação de sangue

25/11/2021

Destaque, Doador de sangue, Doação, Doação de sangue, Acontece, Comunidade, UNITAU

O Dia nacional do doador de sangue, comemorado em 25 de novembro, tem como o objetivo não só agradecer aos doadores, como também conscientizar sobre a importância desse ato, pois cada bolsa doada pode salvar até quatro vidas.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que a porcentagem ideal de doadores para um país esteja entre 3,5% e 5% de sua população. No Brasil, esse número não chega a 2%. Novembro foi o mês escolhido para promover a importância da data por, geralmente, ser um período de estoques baixos. Isso acontece devido à proximidade das datas comemorativas de fim de ano e das férias. Com isso, o dia torna-se um grande lembrete para um ato solidário.

A Profa. Dra. Vania Maria de Araújo Giaretta, do curso de Enfermagem da Universidade de Taubaté (UNITAU), explica que um dos principais motivos para doar é atender à necessidade dos hemonúcleos, que são responsáveis por fornecer sangue aos hospitais da rede pública ou privada. “O sangue doado tem validade de um a três meses, por isso sempre ocorre a procura. Além do mais, existem pessoas que precisam de doações várias vezes ao ano, para transplantes ou tratamento contra o câncer e até mesmo para pacientes que estão tratando complicações da Covid-19”, explica.

Apesar dos avanços da tecnologia e da Medicina, não existem medicamentos que podem substituir as células do sangue. No entanto, segundo a professora, a desinformação pode ser um fator agravante para a falta de doadores no país. “Existe o medo da agulha, que é muito frequente, o de pegar alguma doença ao doar, mas a maioria não entende a importância, pois falta informação”, comenta.

O procedimento para doar é simples, rápido e seguro. Não há risco para o doador, pois nenhum material empregado na coleta é reutilizado. Além disso, o corpo humano é portador de 4 litros de sangue, e o que é doado varia entre 300 ml e 400 ml, sendo que em três dias o organismo está renovado e não há comprometimento para a imunidade. Os voluntários podem doar até quatro vezes ao ano, com intervalos que podem variar de dois a três meses. Confira mais informações para ser um doador.

Segundo o Ministério da Saúde, em 2020, as doações diminuíram em 10% por conta da pandemia do coronavírus. Pacientes que tiveram a doença devem aguardar 30 dias após o fim dos sintomas para doarem. A doação de sangue é segura e não contraindica a vacinação. Quem tomou a CoronaVac, do Butantan, precisa esperar 48 horas. Já os que receberam a AstraZeneca, da Fiocruz, ou a Pfizer, podem fazer a doação depois de sete dias.

O Hemonúcleo de Taubaté, localizado na Av. Inglaterra, 190, no Jardim das Nações, recebe doações por agendamento e é o órgão responsável pelo banco de sangue que abastece os hospitais do Vale do Paraíba.

As campanhas de doação de sangue são de extrema importância para informar e conscientizar sobre esse ato de desprendimento e amor ao próximo. “Eu acredito que a frequência nas campanhas, até mesmo com os próprios universitários e a parceria das universidades com o Hemonúcleo, são meios para aumentar o fluxo de doadores”, conclui a professora Vania.

Foto: Renata Moraes

Linda Uberti
ACOM/UNITAU