Professores da UNITAU reforçam a importância da educação financeira para a saúde mental

08/10/2021

Saúde, Finanças pessoais, Economia, Qualidade de vida, Dicas

O dia 10 de outubro é conhecido como Dia mundial da saúde mental. A pandemia da Covid-19 trouxe, nos últimos meses, consequências físicas, emocionais e econômicas. Segundo levantamento realizado pela Inteligência em Pesquisa e Consultoria (IPEC), 23% dos fatores que impactaram a saúde mental dos brasileiros durante a pandemia mencionam a situação financeira. Além disso, dinheiro é considerado a principal causa de estresse no Brasil, de acordo com a pesquisa realizada pelo Global Investor Pulse.

Para a psicóloga autora e co-autora de livros sobre educação financeira Profa. Dra. Andreza Maria Neves Manfredini, da Universidade de Taubaté (UNITAU), a situação financeira pode impactar diretamente a saúde emocional. A má administração do dinheiro, o descontrole, os gastos exagerados, o consumismo e o desemprego levam a sintomas físicos eafetivos.

            “Por isso, diante de uma crise financeira, é muito importante a união da família. Toda crise é uma oportunidade para mudanças, porque ela pode trazer uma nova forma de lidar com o dinheiro. Novos hábitos de organização financeira e conversar de maneira aberta com a família sobre dinheiro são muito importantes para adaptar-se a um novo estilo de vida”, alerta a professora.

O Prof. Dr. Edson Trajano Vieira, do Núcleo de Pesquisas Econômico-Sociais (Nupes) da UNITAU, explica que o grande desafio do estudo da economia é equilibrar as receitas que são limitadas diante dos desejos de consumo.

“Os nossos desejos de consumo sempre são maiores que as nossas condições financeiras. Toda vez que acontece uma melhora na renda, facilmente isso é incorporado no padrão de consumo. Mas quando ocorre uma queda na renda, o que tem acontecido com muitos brasileiros em função da pandemia, há dificuldades em se reduzir o padrão de consumo na mesma proporção”, pontua o professor.

Por isso, faz-se essencial ter educação financeira, que é o processo mediante o qual os indivíduos e as sociedades melhoram a sua compreensão em relação aos conceitos e produtos financeiros.

 “A dica mais importante é colocar na ‘ponta do lápis’ tudo que se recebe e quais são as prioridades de gasto nesse processo. Só o fato de escrever isso já é um exercício para estabelecer as prioridades na unidade familiar”, afirma o professor.

Ele também destaca que, ao realizar a descrição desse orçamento, não se pode acrescentar o dinheiro que não se recebeu, como acontece muitas vezes com aqueles que têm uma renda variável. E é importante colocar todas as contas que se fez ao longo do mês, e não somente as principais contas.

            “Outra dica importante é o cuidado no uso do cartão de crédito. Muitas pessoas gastam em função do limite do cartão e não do salário que vão receber.O resultado é que não se consegue pagar a fatura no final do mês”, diz.

Além disso, a educação financeira pode começar desde cedo, com as crianças em casa e nas escolas. Um exercício de matemática trabalhando com educação financeira e o auxílio dos pais em falar sobre dinheiro são alguns exemplos. “Algumas prefeituras têm trabalhado com educação financeira no ensino fundamental, isso melhora bastante a situação dos indivíduos em relação ao dinheiro, que é muito difícil de ser ganho, mas fácil de ser gasto”, finaliza o professor Edson.

            O Nupes tem como objetivo desenvolver pesquisas e divulgar informações que contribuam para a compreensão da realidade econômica e social do Vale do Paraíba. Além disso, são realizadas orientações financeiras familiares de forma voluntária. Para mais informações ligue: (12) 3629-5811

           

 

Linda Uberti

ACOM UNITAU