Roda de conversa aborda desafios para gestão de parques naturais municipais

27/05/2021

Meio ambiente, Ciências Biológicas, Gestão, Roda de conversa, UNITAU

 A preservação do meio ambiente representa um grande desafio para os municípios. Em um contexto geral, seja federal, estadual ou municipal, boa parte das unidades de conservação do Brasil sofrem ou com falta de recurso financeiro ou com falta de recurso humano, ou com os dois.

Esse foi o tema abordado pela roda de conversa promovida pelo Prof. Dr. Júlio Cesar Voltolini, membro do Grupo de pesquisa e ensino em biologia da conservação (Ecotrop) e docente do curso de Biologia da Universidade de Taubaté (UNITAU) com o apoio da TV UNITAU, na quinta-feira, 20. O bate papo com o tema “Parques naturais municipais: desafios e oportunidades” foi transmitido pelo youtube.

Segundo o professor Júlio, que também participa do projeto de extensão “Apoio ao planejamento e à gestão da unidade de conservação do Parque natural municipal Vale do Itaim no município de Taubaté", coordenado pelo Prof. Dr. Ademir F. Morelli, presente na roda, o evento tem o propósito de apresentar à comunidade e líderes ambientais da região os desafios de preservar unidades de conservação dentro dos municípios.

No Brasil, existem diferentes tipos de unidades de conservação e entre elas está a categoria parque natural municipal, que é de proteção integral. Este tipo de parque tem por objetivo a preservação da natureza, permitindo apenas o uso indireto de seus recursos naturais. As UC’s – como são chamadas – são compostas apenas de áreas públicas.

Para tratar do assunto, participaram da mesa: Anita Correia de Souza, que trouxe estudos de casos sobre o tema; José Luiz de Carvalho, do Instituto florestal e da Secretaria de infraestrutura e meio ambiente do Estado de São Paulo, para falar das oportunidades de captação de recursos em UC’s de proteção integral e Miguel Von Behre, arquiteto, urbanista e analista ambiental, que falou sobre os desafios na criação e no gerenciamento de parques naturais municipais.

 “Quando pensei nessa mesa, meu intuito era mostrar que, apesar do interesse dos políticos em proteger as áreas verdes da região ter aumentando significativamente nos últimos anos, as secretarias do Meio Ambiente enfrentam muitas dificuldades para criar e gerir parques nacionais municipais. Falta recurso, mão-de-obra, equipe técnica etc. A população precisa cobrar, mas, para isso, precisa saber qual é a realidade”, destaca o Prof. Júlio.

“É importante frisar os benefícios e serviços ambientais que as unidades de conservação prestam à comunidade. Os parques nacionais são responsáveis pela proteção dos recursos hídricos e da biodiversidade. Possibilitam a realização de pesquisas científicas e o desenvolvimento de atividades de educação ambiental, de recreação em contato com a natureza e de turismo ecológico”, finaliza o convidado Miguel.

 

Thaiz Wertz

ACOM/UNITAU